quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Balanço Químico


Acordar cedo. Tomar dois comprimidos. Andar até a cozinha e escolher entre café expresso ou instantâneo, enquanto o vapor sobe com o aroma forte da manhã penso em listas mentais de afazeres do dia.
  • Ler os livros sobre o Zen.
  • Praticar meditação (pelo menos 20 minutos).
  • Ir até os locais de prática de meditação e conversar com as pessoas que fazem.
As vontades não seguem o mesmo caminho, a mente divaga, o olhar se perde no horizonte colorido de uma tela, computador ou TV, e os atos não são tomados.
Após o almoço, outra pílula. Me sinto um personagem do Requiem Para um Sonho, consigo ler alguns capítulos da Monja Coen que me inspiram de uma maneira absurda e me fazem refletir e pensar na grande peça que é a vida que encenamos diariamente. Preciso parar de olhar para o olho do problema e relevá-lo. Esquecer a dor, transformar a raiva em força de mudança e a tristeza em amor. Amor pela vida, pelas minhas criações e pelas pessoas que me cercam.
Mas ainda não cheguei neste nível de evolução, ainda sinto a dor, a apatia e a vontade de pegar a mochila e sair zanzando pelo mundo que me cerca. Dos três tópicos acima cumpri dois. Quem sabe amanhã não cumpro os três?

2 comentários:

Guilherme disse...

Salve!
Meu caro, estamos aí, sempre com a mente em você e nosso amigo de Bauru.
Grande abraço!

Dani disse...

O fato de vc estar consciente do que tem que fazer já é meio caminho andado para realizar aquilo que vc quer. E eu me sinto orgulhosa de ver que existe a vontade aqui nessas linhas...