segunda-feira, 28 de julho de 2008

Mato Dentro aí vou eu...

Ao começar o domingo preguiçosamente me esticando na cama, acordado pela minha linda me deparo com um programa que geralmente costumo simplesmente soltar um xingamento e desligar a TV: Troca de Família.
O que me pegou foi a família que morava em uma cidade do interior de Minas chamada Mato Dentro em uma casa visivelmente construída por eles em meio à uma paisagem bucólica de mato e tranquilidade. Eles se ajudam nas tarefas diárias e são vegetarianos e carinhosos com as outras pessoas, praticando yoga, meditação e outras coisas que ampliam a mente. A outra família era cheia de pessoas estressadas e obesas de São Paulo onde a única ração diária era pizza e refrigerante. Moral do programa: trocam-se as duas mães, sustos e xiliques da "gordinha" e a paz quase irritante da outra mãe em SP.
Minha mente divagou longe durante este programa sobre como sinto falta das pessoas que possuem um contato direto com sua verdadeira natureza, com a Natureza e que não se deixam influenciar pela confusão diária de nossas cidades. O mundo precisa de mais mentes voltadas à meditação e ao puja para que não entremos em uma decadência mental e física e acabemos como um mundo de pedras, carbono nos céus e asfalto nos chãos.
Meu papel nesse cenário é o de mudar minha rotina para praticar o yoga com toda a devoção que ele pede e a meditação diária para que pelo menos a minha parte seja feita. Não me tornar mais um ser cinza de uma cidade sem humor que come pizza todos os dias, mas comer comidas coloridas, gostosas de cozinhar e cheirar. Olhe no seu prato e me diga se ali você acha uma boa combinação de cores e aromas.
Neste meu caminho várias pedras já apareceram e continuam à aparecer para que me derrubem e tenho levado tombos bonitos e comido muita poeira. Mas não será agora que desistirei de mudar o mundo à minha volta e nem de mudar principalmente este ser que sou hoje e que pretendo um dia levar à iluminação. E quem sabe não morar um período em Mato Dentro para agilizar este processo.
PS: Se quiser saber mais sobre o programa em si, tem uma excelente resenha feita pelo

10 comentários:

Jocinei disse...

Juliano, sou cearense e estava nesse domingo procurando, procurando e procurando o que haveria de bom na tv, qdo encontrei o troca de familia na record. Assino em baixo tudo o k vc disse. A tranquilidade do local e a paz em que a familia convive uns com os outros é ótimo. A filha adolescente é uma menina simples e bonita poderia trabalhar como modelo.

Chantinon disse...

Cara, fico muito feliz em conhecer mais uma pessoa que pelo menos pensa. Eu estava analizando... e é a alimentação que nos deixa estressados... Fora toda a loucura de uma cidade grande, comer pizza, hamburger, refrigerante e toneladas de açucar não só faz mal, como deixa o cara energizado... mas energizado de neuras, podreiras mentais e tudo que é ruim para a alma e corpo.

Valeu mesmo pela indicação ai...

Vc notou os abraços da Débora?
Impressionante como pessoas do bem são verdadeiras.

abraços!

Dani disse...

O que mais me impressiona é o fato dessas pessoas (a família rechonchuda) terem acesso a instrução, mas optarem conscientemente pela vida de ignorância. O fato de a gorda ser gorda, e entrar de biquíni fio-dental no rio de Mato Dentro, totalmente sem bom-senso não é o que me assusta. O que me assusta é ver seus filhos crescerem tomando Coca-Cola e comendo x-salada de café da manhã, e pizza no jantar todos os dias, sem qualidade de vida nenhuma. Que saúde essas crianças terão na adolescência?
O que me fez refletir (para não repetir o mesmo erro imbecil na minha vida) foi perceber essa incapacidade gigantesca da "new classe média" de aceitar as diferenças, a incapacidade de respeitar outro modo de viver. Taxar a família "zen" como aberração, e achar que estão vivendo uma vida “feliz”. Entre todas as defasagens da gordinha e de sua família, o que mais se destacou foi a falta valores e princípios para passar para as crianças. Faltou passar para elas o entendimento de que existem outros tipos de vida, e que esses modos de viver são reais, e não meramente uma matéria ilustrativa do Fantástico. Mas esse tipo de compreensão eles não têm. Eles me pareceram incapazes de aprender, aparentemente porque alcançaram um patamar financeiro pelo jeito nunca imaginado, e estão aproveitando isso como férias sem fim e sem consciência nenhuma. Se eles aprendem alguma coisa, aprendem a lição errada
O que mais me indignou foi isso: diante de uma grande lição em sua vida, a gorda na volta aprendeu a lição errada. Voltou dando valor aos seus bens materiais. Ah! A importância de uma geladeira! E de uma antena parabólica! De certo é a mesma importância que até então ela nunca tinha dado a um par de tênis em sua vida.
É claro que a família "zen" tem lá seus defeitos, não é um exemplo de perfeição, mas estão no caminho, mais avançados do que muitos de nós, os telespectadores boquiabertos. A minha conclusão é de que a indignação provocada pelo programa é pelo fato de que nós, os telespectadores, não querermos parecer com a família da gorda de jeito nenhum. Não queremos flagrar em nossas atitudes um pouco daquilo que nos incomodou e chocou ao acompanhar o modo de viver da família redonda. Que é um modo de viver real. E que a meu ver devemos respeitar também (mas que fiquem lá, bem à distância...)

Anônimo disse...

Gostei muito da Comunidade de Mato Dentro. Gostaria de saber como uma pessoa faz para viver algum tempo lá. Quando vi toda aquela harmonia e aquela forma simples de viver tive vontade de pegar minhas malas e me mudar! Aqui onde moro é uma lixeira só. Barulho de som de carro nos finais de semana. Assaltos , sequestros, estress límpido e gratuito ao gostinho do cliente!
Se alguém conhece os responsáveis por esta comunidade ma-ra-vi-lho-sa ,por favor, me diga. Quero visitar a Comunidade Mato Dentro

Anônimo disse...

Oi...me chamo Cristina Soares e tb me encantei com a comunidade alternativa de mato dentro...gostaria mt de conhece-la pessoalmente...vc chegou a ir lá? como faço p/ chegar ate lá? se possivel me responda atraves de meu email, cristinap_soares@hotmail.com.
Obrigado

soldeminas disse...

Juliano, Nasci e vivi no mato dentro por 7 anos sou apaixonada por aquele paraíso ali se vive com qualidade de vida. abraços

Alex Arruda disse...

Olá! Cara, Mato Dentro não é uma cidade, é um bairro do município de Soledade de Minas onde moro, eu conheço o Mato Dentro e é muito legal mesmo.

Alex Arruda disse...

Olá, Cara, Mato Dentro não é uma cidade, é um bairro do município de Soledade de Minas onde moro. Eu conheço o Mato Dentro e é muito legal mesmo.

adriana disse...

Olá, eu sou de Soledade de Minas, bem perto do bairro do MAto Dentro, que como todos viram e comentaram nesse blog é uma verdadeira paz,e essas pessoas que moram lá são animadas e vivem muito bem do jeito que vivem. Conheço uma professora que é um amor de pessoa de lá, esteve trabalhando na cidade com a gente na escola Quntino Vieira.É um doce de pessoa e só come coisa vegetal mesmo, nem por isso é desnutrida e apática.Ela tem uma cor boa e é extremamente alegre e feliz na sua comunidade. Devemos pensar melhor na saúde e fazer uma dieta rica em fibras e vegetais.Venham conhecer essa raridade presente nesta comunidade do MATO DENTRO, em Soledade de Minas....

Cesar disse...

Nossa, que bom q eu encontrei pessoas como eu. Eu assisti esse programa e eu apaixonei pela família, pela comunidade e pelo município. É O LUGAR QUE EU PRECISO PARA VIVER.Quero muito um dia conhecer ou até morar lá. Abraços!